Menu

Reportagens

Handmade e Design Autoral

Le Marché Chic, de Lulu Alberti, vem em defesa do slow fashion e do trabalho feito à mão  

Foquei totalmente ao handmade e no design autoralUm negócio criativo onde dou visibilidade para tantas marcas bacanas de tantos lugares diferentes (Foto: Rafael Sartor)

Luciana Alberti, ou Lulu, como é conhecida, cresceu em meio ao universo da moda, vendo sua bisavó fazer macramê, a avó fazer crochê e a mãe bordar. Depois de atuar alguns anos no setor, e de lançar a sua linha própria de roupas, deparou-se com guerra de preços (que resulta em mercadorias de baixa qualidade). Desde então, iniciou a defesa do slow fashion e do trabalho feito à mão. Em 2016 Lulu criou o Mercado Chic Boutique, que valoriza os projetos autorais de pequenos empreendedores. Com o sucesso da iniciativa, que hoje atende inúmeras marcas artesanais e recebe até 1.500 visitantes por edição, Lulu apostou no crescimento do projeto e o batizou de Lé Marché Chic. Além de espaço propício ao lançamento de novos talentos no mercado da moda e arte, o evento também tem um diversificado leque de atrações, que inclui música, operações gastronômicas e performances artísticas. Ao longo de 16 edições do Mercado Chic, muitas foram as novidades. A 17ª foi realizada com novo nome: Le Marché Chic.

A próxima edição do evento está marcada para os dias 15 e 16 de agosto, em Canela (RS). A seguir, a idealizadora fala mais sobre os planos para o futuro da ideia.

NOI: Que outras novidades acompanham este novo nome?  

Luciana Alberti: O novo nome é na verdade um recomeço, um novo posicionamento que pretendo dar ao projeto. Comecei com oito expositores e sem pretensão nenhuma de expandir. Aconteceu naturalmente. Vislumbrei então um nicho no mercado que só cresce: economia criativa. É um belo negócio que une juntos artistas e arteiros que trabalham suas peças de forma manual ou autoral mostrando moda, design, arte, bem estar e cosméticos. Convergimos todo esse afeto do handmade(feito à mão) com comidinhas criativas, shows, intervenções artísticas e bate papo sobre novos negócios.

Como é liderar um projeto como esse, no mercado criativo, que está em ascensão no país?  

Sou muito exigente comigo pois tenho responsabilidade com os expositores, fornecedores e com a comunidade. Coordeno todas as etapas desde a comunicação com as marcas, design gráfico, redes sociais e contato com fornecedores. Não sei delegar funções (meu grave defeito) pois já tive experiências péssimas. Todo dia, toda hora alguma marca me chama, manda fotos, quer entrar no evento. Foquei totalmente aohandmadee no design autoral.

Você já teve alguma saia justa durante as realizações da feira?

A previsão do tempo é o pior pesadelo sempre! Já montei um evento ao ar livre apostando na minha sorte (que nesse dia não vingou) e choveu muito bem na hora da montagem. Tive que cancelar. Foi constrangedor. Fiquei arrasada! Mas com o apoio dos meus expositores remarquei o evento para um local protegido e foi um sucesso!

Houve alguma ocasião em que você teve que concordar com uma decisão contra sua vontade?

A minha intuição é bem forte. Se eu não acredito não acontece. Já fui pilhada em outros eventos que produzi. Me deixei levar por opiniões alheias e me ferrei. Com isso aprendi a ser mais focada e fazer realmente o que dá certo. Se tenho dúvida, recuo na hora.

Se eu ligar agora para teus amigos, conhecidos ou pessoas de referência, o que eles diriam sobre você?

Se ligar pros meus amigos eles diriam que sou pilhada, alto astral, divertida e engraçada. Os conhecidos... que sou louca na roupa! Pessoas de referência... sou comprometida com o que faço, sou rápida nas decisões.

Quando a Lulu não está trabalhando, ela está fazendo o que?

Boa! Quando não estou trabalhando estou trabalhando. Minha cabeça não para. Estou sempre inventando alguma coisa. Sempre! Minha cabeça é um turbilhão.

O que não sai da sua cabeça?

Levar o Le Marché Chic à outra esfera. Ao empreendedorismo. Criar uma plataforma digital de curadoria independente. Proporcionar conhecimento aos meus queridos expositores. Tornar o projeto uma startup !!!

Qual a maior mentira que já contaram sobre você?

As pessoas criam rótulos. O mundo cria rótulos. Pelo meu jeito irreverente de ser, de me vestir, de me comunicar muitas vezes sou mal interpretada.

Qual acontecimento de sua vida mais marcou você? 

Duas viagens de negócios para China quando eu era diretora de estilo de um grande empresa. Percebi que a moda não tinha volta. Virou um grande massacre e uma corrida por preço. Percebi que a criação e o produto não importavam mais. Só números e relatórios de venda. Comecei o meu processo de desapego pela moda!

Qual a qualidade em outra pessoa que mais agrada a você?

Paciência. Não tenho!

 O que você ainda gostaria de aprender?

Tudo! Quero aprender em 4 dias o que poderia aprender em 4 meses. Sou ansiosa, curiosa, inquieta!

Descreva o novo momento pessoal e profissional de Luciana Alberti (Lulu)

Um tanto quanto assustada com a comunicação e direcionamento do meu negócio. Estou literalmente correndo atrás de me atualizar com esse mundo novo, com o futurismo, com a economia criativa, com o marketing digital. É um mundo novo que ainda não domino. Estou imersa em estudos, em leituras, aplicativos para gerenciamento do meu negócio... enfim! Sou do tempo do conteúdo orgânico, não desse imediatismo doido que as redes sociais exigem. Mas me sinto muito grata e feliz em perceber o que eu tenho na mão. Um negócio criativo onde dou visibilidade para tantas marcas bacanas de tantos lugares diferentes. Um dia nunca é igual ao outro. Isso me movimenta!

Entrevista | Rosangela Meletti - Edição | Caroline Pierosan