Menu

Notícias

Marcopolo Deve Anunciar Férias Coletivas 

Aproximadamente 10 mil trabalhadores devem estar liberados por cerca de 20 dias

Cerca de 10 mil trabalhadores devem estar liberados para ficar em casa por cerca de 20 dias

A Marcopolo avalia a possibilidade de determinar férias coletivas aos colaboradores de todas as suas plantas fabris no Brasil (Caxias do Sul, Rio de Janeiro e São Mateus). Cerca de 10 mil trabalhadores devem estar liberados para ficar em casa por cerca de 20 dias. A empresa informa que está analisando o tema, de acordo com o monitoramento que vem sendo feito e com a evolução da pandemia de COVID-19, e, em breve, confirmará a posição que será adotada.  

Em contrapartida, a planta fabril da China, sediada em ChangZHou (com cerca de 200 funcionários) trabalha normalmente, desde ontem (17.03). A planta chinesa ficou totalmente fechada entre os dias 25 de janeiro e 2 de março. 

POSICIONAMENTO EMPRESAS RANDON SOBRE O COVID-19

As Empresas Randon trabalham em ações preventivas que auxiliam no combate à proliferação do Covid-19. A partir desta quarta-feira, 18 de março, pessoas de grupo sensível que sejam imunodeprimidas, asmáticas, hipertensas, cardíacas, diabéticas, com câncer, com mais de 60 anos e gestantes, estão sendo avaliadas. As empresas cumprirão as determinações médicas. Para colaboradores que não tenham com quem deixar seus filhos, nos casos de escolas que não estejam funcionando, as empresas avaliarão cada caso. 

Home Office

A ampliação do home office será outra medida tomada pelas empresas para evitar a proliferação do vírus. Essa e outras providências seguirão até o período em que as empresas entenderem como necessário. 

Orientação

Além disso, desde o início do ano, as Empresas Randon e a Marcopolo estão promovendo iniciativas e orientações para seus colaboradores, tais como: 

- Campanha preventiva contra infecções respiratórias;

- Disponibilização de kit prevenção (álcool em gel, lenços descartáveis, máscaras) antes de viagens;

- Envio de máscaras e termômetros para os colaboradores da China (Caso da unidade da Fras-le na China);

- Isolamento domiciliar aos profissionais que retornaram de viagens internacionais, ou de cidades brasileiras em que já existe transmissão comunitária, e acompanhamento médico conforme necessidade;

- Cancelamento de viagens internacionais, medida estabelecida desde o início de março. As viagens nacionais e regionais estão restritas, principalmente nos casos de cidades em que há contágio comunitário;

- Encontros presenciais, como reuniões e treinamentos, estão sendo substituídos por videoconferências;

- Cancelamento ou postergação de eventos internos e externos realizados pelas empresas;

- Aumento da oferta de álcool em gel para os colaboradores, principalmente em restaurantes, acessos e vestiários;

- Reforço na higienização dos espaços compartilhados, como banheiros, vestiários, restaurantes e veículos de transporte de colaboradores;

- Acesso restrito para visitas presenciais nas empresas;

- Divulgação periódica de informações e orientações sobre a prevenção do Covid-19;

- Antecipação da campanha de vacinação contra a Gripe H1N1, que, embora não previna o Covid-19, auxilia no diagnóstico correto. 

Acompanhamento

Desde os primeiros alertas da Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda no mês de janeiro, as empresas passaram a adotar medidas de precaução, que foram se intensificando de acordo com a evolução da doença. Ao mesmo tempo, seguem atuando com empenho na continuidade das atividades fabris, evitando impacto maior na sociedade.

As companhias estão sensibilizadas e acompanhando, juntamente com equipes médicas, os colaboradores que apresentarem algum tipo de sintoma, bem como outros contextos que possam impactar suas equipes. Contam ainda com comitês destinados a estudar ações adicionais de precaução e que estão acompanhando o cenário para que medidas sejam tomadas de maneira efetiva e na velocidade necessária.

Operação

As Empresas Randon e a Marcopolo seguem com suas operações, atividades fabris e responsabilidades. Dessa maneira, entendem que estão contribuindo para que se mantenha a sustentabilidade econômica regional e global, com o funcionamento de setores relevantes de toda a cadeia produtiva, como, por exemplo, indústrias de transporte, farmacêutica e alimentícia, assim como vem ocorrendo em outros países, que continuam com atividades fabris. 

Conforme o cenário exigir, as medidas mencionadas anteriormente podem ser alteradas. As empresas seguirão acompanhando o tema, que muda rapidamente, e entendem que o momento é de cuidado e comprometimento com a saúde e o bem-estar de seus colaboradores, familiares e das comunidades em que estão presentes.