Menu

Pelo Mundo

Patagônia

Geleiras Vulcões e Vida Selvagem

Capillas de Marmol, Chile (Foto: Ademir Pierosan) Glaciar Perito Moreno, Argentina (Foto: Ademir Pierosan) Fitz Roy, Argentina (Foto: Ademir Pierosan) Torres Del Paine, Chile Cuernos Del Paine,Chile (Foto: Ademir Pierosan) Vulcão Osorno, Chile (Foto: Ademir Pierosan) Pinguinera PuntaTombo, Argentina (Foto: Ademir Pierosan) Vulcão Villarrica Pucón, Chile (Foto: Ademir Pierosan) Cueva de las Manos, Argentina (Foto: Ademir Pierosan)

A patagônia é uma imensa região no sul da Argentina e Chile. É tão linda que já a visitei várias vezes e talvez ainda retorne no futuro (isso que não gosto de repetir lugares). Todas as vezes que fui para essa região foi por terra. Costumo incentivar meus amigos “em férias, ao invés de ir à praia, por que não fazer uma aventura de carro?”, (e não pense que você precisa gastar muito para fazer este tipo de passeio). Minha última aventura pela Patagônia foi em companhia da minha esposa e um casal de amigos em janeiro de 2015. Viajamos costeando o oceano Atlântico até chegarmos a Rio Gallegos, no sul da Argentina. No caminho passamos por Las Grutas e Pinguinera Punta Tombo. Las grutas, é uma pequena cidade no alto de enormes falésias a beira mar. Pinguinera Punta Tombo é um local onde casais de pinguins se encontram todos os verões para procriar. Segundo o guarda parque, quando passamos por lá, tinha em torno de 300 mil casais de pinguins, mais os filhotes.

Seguimos para o Parque Nacional Torres del Paine, no Chile. Na primeira vez que estive ali, que foi em família, vários anos antes, pensei “esse deve ser um dos lugares mais bonitos do planeta”. Anos depois, li numa revista especializada que realmente este parque é considerado um dos 10 mais bonitos do mundo. As três torres, elevações rochosas gigantescas, emocionam. Os rios e lagos do parque são formados pelo degelo e têm um intenso tom azul turquesa. Neste local, tive o privilégio de fotografar um rebanho de guanacos, que são selvagens, pastando tranquilamente tendo, ao fundo, as magníficas Torres del Paine, cartão postal do parque.

Em El Calafate - Argentina, alugamos uma pequena cabana perto de um lago como uma vista simplesmente deslumbrante. Esta região destaca-se pelos glaciares. Fizemos um passeio de barco para visitar os principais. O maior deles é o Perito Moreno, simplesmente espetacular! No verão é normal desprenderem-se blocos de gelo que estão na borda, provocando um estrondo. No inverno ocorre a reposição do gelo perdido no verão. Nos juntamos a um grupo, acompanhado por dois guias, em uma caminhada arriscada sobre este glaciar. No meio do percurso fomos surpreendidos pela equipe com whisky servido com pedras de gelo glaciar, talvez milenar, sobre uma mesinha.

Prosseguindo para El Chalten – Argentina, considerada capital nacional do trekking, fizemos duas trilhas muito bonitas com destaque para a trilha que leva para a Laguna de Los Três. Se chama assim por causa dos três picos da montanha e é a trilha mais famosa em El Chalten. Ela leva até o pico da montanha Fitz Roy. No dia da trilha de manhã cedo, apesar de estarmos em pleno verão, o termômetro marcou 0° C.  Com 20 km (considerando ida e volta até a lagoa que fica na base do Fitz Roy) essa trilha tem alto grau de dificuldade, pois, na ida, é quase toda de subida. O último km tem 45° de inclinação. Mas tenha certeza que é muito compensador! Levamos 9,5hs para fazer o trekking e no retorno dormimos em barracas num camping na beira de um rio.

Seguimos viagem pela famosa Ruta 40 rumo ao norte. No caminho, visitamos Las Cuevas de Mano, atração de pinturas rupestres. Deixamos a Argentina para entrarmos novamente no Chile por Chile Chico. Fomos os últimos a passar na aduana às 22h. Paramos afastados da cidade, no primeiro hotel que encontramos. Nosso jantar foi um lanche no saguão, pois a cozinha já estava fechada. Em determinado momento, uma das atendentes me falou “nós vamos dormir, vocês podem pegar o que quiserem na cozinha, anotem e quando forem para os quartos, apaguem a luz”. Por via das dúvidas, além de apagar a luz, passei também a chave na porta do hotel. Curioso e engraçado! Em Puerto Tranquilo (Chile), após percorrer muitos Km de estrada de chão, navegamos em um pequeno barco para conhecer um lugar pouco visitado, as Capillas de Marmol (montanhas de mármore tendo na base muitas entradas esculpidas pelas águas do lago absurdamente turquesa). Essas entradas, que são as capelas de mármore, têm várias cores, algumas vezes, na mesma capela. Um passeio fascinante!

Continuamos pela também famosa Ruta Austral, com parte do caminho novamente em estrada de chão, passamos por um bonito fiorde e paramos em Chaiten, cidade com muita cinza vulcânica e muitas casas parcialmente soterradas, fruto da erupção do vulcão Chaiten em 2008. De lá nos dirigimos à ilha de Chiloe embarcados num ferry boat. Na ilha dormimos na cidade de Castro numa pousada no alto de uma colina. No dia seguinte, seguimos em viagem, novamente parte de ferry boat, para Puerto Montt onde perto dali, subimos no vulcão Osorno alternando carro, teleférico e caminhada. Mais adiante, em Pucón, subimos, de carro, parte do vulcão Villarrica (que entrou em erupção cerca de 40 dias após termos passado por lá, mais precisamente em 3 de março de 2015). Por fim atravessamos a cordilheira dos Andes no trajeto Santiago-Mendoza. Seguindo, chegarmos no Uruguai e fomos presenteados com um pôr do sol espetacular, show de cores e degrades com vista 360°. Foram 11.190 km com nosso carro, dos quais, em torno de 600 foram de estrada de chão, mais os deslocamentos de ferry. Uma aventura e tanto!

Quando viajo e vejo uma paisagem grandiosa, um nascer ou pôr do sol bonitos ou ainda a lua cheia numa noite limpa me recordo das palavras do apóstolo Paulo em Romanos 1:20 e do Salmo 19:1-6. Leia e descobrirás o porquê.

Texto e Fotos I Ademir Pierosan