Menu

Especial

Design é da Nossa Natureza

Setor moveleiro gaúcho retoma crescimento em 2018

"Propomos uma viagem de dois objetivos - negócios e lazer. A parceria com a comunidade é muito importante. Temos certeza do sucesso desta estratégia para as próximas edições" ( Edson Pelicioli, presidente do Sindmóveis) "O papel do designer é identificar a necessidade do mercado e criar para a indústria um projeto de produto viavelmente econômico" "O objetivo em 2018 é começar a retomar o que o setor perdeu com a crise dos últimos anos" Com patrocínio de Sayerlack, a Movelsul Brasil é considerada a maior feira de móveis da América Latina, promovendo o desenvolvimento do setor moveleiro nacional, estreitando as relações comerciais entre a indústria e seus clientes e incentivando as exportações por meio de ações direcionadas ao mercado internacional, consumidor do móvel brasileiro

Entrevista I Ana Facchin e Caroline Pierosan I Fotos I Josué Ferreira

Ao sediar a 21º edição da Movelsul Brasil no justo momento em que o setor começa a sair da avassaladora crise dos últimos três anos, Bento Gonçalves (RS) assegura sua postura de perseveraça reafirmando seu posto de principal polo moveleiro do país e uma referência mundial no assunto. A cada dois anos, durante quatro dias (de 12 a 15 de março de 2018) Bento recebe os principais lojistas brasileiros de móveis e importadores de 50 nacionalidades na principal feira de móveis da América Latina, voltada exclusivamente para o público profissional. Neste periodo, a Serra Gaúcha centraliza os lançamentos do setor moveleiro que serão pauta do varejo nacional no segundo semestre deste ano, na expectativa pelo reaquecimento do mercado. O mote da campanha da feira provoca um movimento de valorização do terroir cultural da Serra Gaúcha. Apostando na retomada que o setor moveleiro vem sinalizando nos últimos meses, a feira foi planejada para valorizar os atributos turísticos da Região e a tradição de seu polo moveleiro com destaque para a preciosidade do seu design – este que pode ser sentido pelo visitante em cada aspecto, em cada ângulo, em cada cenário daqui. “Nenhuma outra feira de móveis tem como cenário o principal destino enoturístico do país. Se o lojista e o importador vêm à Serra Gaúcha para bons negócios com a indústria expositora, o Sindmóveis deseja que eles também conheçam bons vinhos, apreciem as belas paisagens e desfrutem dos excelentes atrativos turísticos”, afirma Edson Pelicioli, presidente do Sindmóveis, entidade realizadora da feira. A campanha desdobra-se em outros atributos da cidade e sua indústria moveleira: inovação, hospitalidade e bem-estar. “Uma feira de móveis pode existir em qualquer lugar, mas a nossa história e o legado desse polo moveleiro é que tornam a Movelsul Brasil única em seu segmento, considerando, também, a excelência do Sindmóveis Bento Gonçalves na promoção do evento”, destaca. A seguir ele explica por que, neste ano, a entidade confia numa retomada para o setor moveleiro, tendo a feira como ambiente de negócios ideal para alavancar as vendas no varejo nacional, bem como no mercado externo. A feira movimenta o varejo nacional e traz oportunidades também, para negócios ao redor do mundo já que, nesta edição, expositores participam das rodadas com mais de 50 importadores. “Visamos fomentar o design como diferencial competitivo para a indústria”, afirma Edson Pelicioli, presidente do Sindmóveis. A feira inclui expositores dos segmentos de escritório, cozinha, dormitórios, área de serviço, banho, móveis para jardim, eletros, copas, salas de jantar e estar, tapetes, estofados e colchões. Pelicioli defende a Movelsul Brasil como estratégia de posicionamento e vendas para o setor, com o diferencial de promover bons negócios no principal destino enoturístico do país.

NOI: De que forma a influência do nosso terroir é visualizada nos móveis produzidos aqui?

Nosso polo moveleiro vem desenvolvendo esse design característico, com capacitação dos profissionais em parceria com a Universidade de Caxias do Sul. O design está impregnado nestes estudos que temos desenvolvido. Também temos os avanços em tecnologia. A inovação é um ponto importante a ser considerado. Bento Gonçalves é conhecida por inovar e desenvolver novos produtos, tecnologias e gestão. Foi o que fez o polo crescer desta forma.

Por que o segmento está otimista em relação ao mercado internacional?

A partir da recente crise que enfrentamos no mercado interno, houve um movimento na busca pelo mercado exterior. Mas o Sindmóveis já trabalha com exportação há muito tempo. O Projeto Comprador é exemplo disso. Mais do que nunca este é o momento de retomarmos isso. Temos que trabalhar para conscientizar o fabricante e o expositor a respeito da importância da exportação. As ações de exportação têm que ser permanentes. Bento Gonçalves e todo o setor nacional podem e devem exportar para o mundo inteiro.

Como as exportações podem ajudar as empresas a se manterem no mercado?

A integração com o mercado internacional é essencial para a sustentabilidade dos negócios no próprio mercado doméstico, ampliando a competitividade global, além do desenvolvimento da cadeia moveleira. Relacionando-se com o mercado externo as empresas aumentam sua resiliência e a capacidade de enfrentarem crises como a que o Brasil vem passando. Muitas empresas conseguem manter-se em função da sua atuação no mercado externo, ainda que represente um percentual pequeno em seu faturamento total.

Muitos consideram este Polo como a Milão brasileira, já que aqui se inova, se avança com o mercado. A partir da experiência da última crise nos convencemos de que é preciso manter ações perenes de relacionamento com o mercado internacional?

Creio que sim. Os empresários hoje entenderam que mesmo com o dólar baixo precisam exportar. O setor está maduro e os empreendedores precisam tomar decisões de longo prazo. Nesta edição da Movelsul expandimos o Projeto Comprador. Na última feira tínhamos 30 importadores. Nesta atraímos mais de 50. Nós fizemos uma pesquisa no mundo inteiro para identificar os mercados em que o móvel brasileiro tem aceitação e poderia ser comercializado. O grande diferencial desta feira é o número e a qualidade de rodadas de negócios. Acreditamos que isso vai aproximar muito o nosso fabricante deste mercado.

Quais são os principais mercados alvos do segmento no mundo?

O principal mercado para o móvel brasileiro são os Estados Unidos. É o maior mercado para móveis hoje no mundo. É o nosso maior importador, inclusive, mas essa relação tem potencial para crescer muito ainda. Em seguida temos a América Latina, um mercado facilitado principalmente para o iniciante. É o mercado ideal para se aprender a desenvolver a cultura da exportação. A Europa e o Reino Unido são possibilidades importantes também, onde temos desenvolvido iniciativas.  

O que o comprador estrangeiro busca no móvel brasileiro?

Sem dúvida atributos ligados à sustentabilidade, inovação e design. Em termos de produto, podemos citar que existe um apelo para as diferentes madeiras brasileiras. O principal diferencial do Brasil é a madeira. A madeira maciça é muito procurada.

Quais as maiores dificuldades que as empresas brasileiras enfrentam para manter as exportações?

O mercado mundial de móveis tem importações em torno de USD 150 bilhões, sendo que o Brasil detém menos de 0,5% desse mercado. Ou seja: as exportações brasileiras ainda têm muito espaço para crescer. Contudo, isso exige maior preparação e investimento, muito em função da alta concorrência e exigência de competitividade internacional.  Acreditamos que as maiores dificuldades referem-se à gestão empresarial no sentido de uma estratégia consolidada de internacionalização, e também no que se refere a design e marca.  Elas podem driblar essas dificuldades com planejamento e estratégia consolidada de internacionalização, e também investimento em design, inovação e marca. O Sindmóveis possui um Comitê Internacional que gera conhecimento para as indústrias associadas e identifica oportunidades no mercado internacional.

Por que o designer tem que ouvir o varejo?

Nós queremos resgatar a aproximação de ambas as frentes, promovendo uma feira de inovação e de lançamento de produtos. Queremos aproximar fabricante e varejista tendo o designer como elemento fundamental para profissionalizar o processo. O papel do designer é identificar a necessidade do mercado e criar para a indústria um projeto de produto viavelmente econômico. Um dos objetivos do Projeto Varejo é realizar lançamentos durante a feira. O Sindmóveis foi buscar esses varejistas compradores, levando-os até o estande do fabricante. Então o fabricante pode ter essa certeza da visitação de um público direcionado. Os designers também estão enxergando esse projeto como oportunidade. É uma forma de incluí-los mais no processo. O design é um aspecto fundamental do móvel. É muito importante!

São 30 anos de Prêmio Salão Design: Como é possível agregar valor a um móvel?

O prêmio Salão Design é o maior da América Latina. Nesta edição ampliamos as categorias, diversificamos alguns itens, justamente para acompanhar o mercado, o designer e a indústria.  Comemorar 30 anos também é muito gratificante. O Sindmóveis é um precurssor do design de móveis no Brasil. O concurso é cada vez mais prestigiado e com os lançamentos sendo feitos na Móvelsul, torna-se ainda mais importante!

O que quer dizer All Line ?

É uma nova tendência de comercialização. O cliente hoje busca todos os canais para realizar a compra. Tanto a loja física com a Internet, o smartphone... tudo isso compõe a experiência da compra. Mais do que nunca hoje experimentamos a convergência dos canais, para ter uma compra melhorada. Essa é uma das pautas do Fórum na Móvelsul, no intuito de gerar conhecimento para o participante da feira. 

Tendo sido presidente da Feira, há 10 anos, em 2008 e agora, novamente em 2018, como você avalia a evolução do segmento nesta última década?

Com certeza vivemos dois momentos distintos. Em 2008 o mercado estava em auge de comercialização. Foi uma período muito positivo, oposto do momento atual, em que saímos de uma crise. O desafio agora é maior ainda, justamente porque a feira é a maior da América Latina, sendo referência para o país todo. Juntamos aqui todo o setor moveleiro nacional. Neste sentido consideramos a feira muito importante para alavancar a retomada, agora em 2018. A economia está mostrando esse movimento, embora saibamos que vai ser lento. A gente reúne na feira mais de 30 mil profissionais! Em outras oportunidades a feira foi importante para transmitir otimismo. A expectativa para o ano é muito boa e a Móvelsul contribui muito para isso. Tudo indica que o pior já foi. Vamos ter que voltar a crescer mas o fundo do poço passou. O objetivo em 2018 é começar a retomar o que o setor perdeu com a crise dos últimos anos.

Interessante que este trabalho é todo realizado por uma diretoria voluntária!

Sim, podemos dizer que somos um grande case de sucesso. O Sindmóveis vem se renovando e se desenvolvendo com pessoas voluntárias. São profissionais de empresas concorrentes que sentam juntos à mesa para trabalhar pelo setor. Temos o objetivo comum de que cada edição da Movelsul seja melhor que a anterior. E isso com certeza fortalece o setor bem como as empresas, individualmente.