Menu

BIO

Acne Rosácea

O resultado da doença são os vasos dilatados deixando a face dos acometidos com aparência de alcóolicos, o que pode não ser verdade, além de incomodar esteticamente  

Após o tratamento das lesões de acne recomenda-se a remoção dos vasos dilatados para reduzir o número de crises e clarear a pele do rosto

Chega o Inverno no Sul do Brasil e, com ele, uma das dermatoses mais comuns no consultório de Dermatologia Clínica: a acne rosácea, que é muito comum na raça branca (cerca de 10% das pessoas dessa etnia apresentam o problema). Patologia inestética, a rosácea incomoda sobremaneira pois ataca a face e está associada a hiper-reatividade dos capilares (vasos sanguíneos fininhos como fios de cabelo) que se dilatam causando rubor e sensação de fogachos. Após a teleangectasia (vasodilatação) surge um distúrbio inflamatório das unidades pilossebáceas. Com o tempo a pele do local se espessa, especialmente a do nariz (rinofima), da fronte e do queixo, porque as glândulas sebáceas sofrem hiperplasia e o surgimento de fibrose e edema.

A patologia inicia na idade adulta: a partir dos 30 anos, predominando em mulheres (a rinofima, porém, é mais comuns em homens). O enrrubecimento ocorre a partir do aumento da temperatura da pele, em resposta a estímulos térmicos colocados na boca (líquidos quentes) e alimentos condimentados e bebidas alcóolicas. A rosácea se associa a elastose solar e ao calor crônico, muitas vezes decorrentes da profissão (cozinheiros, chapeiros e agricultores, por exemplo). O resultado da doença são os vasos dilatados que deixam a face dos acometidos com aparência de alcóolicos, o que pode não ser verdade, além de incomodar esteticamente.

Após o tratamento das lesões de acne recomenda-se a remoção dos vasos dilatados para reduzir o número de crises e clarear a pele do rosto (o que é feito facilmente com uma sessão de laser). Já as lesões especiais como os “olhos vermelhos” decorrentes da blefarite, conjuntivite e epiclerite crônicas, são tratadas pelo oftalmologista. A rinofima é tratado cirurgicamente.

Themis Hepp e Alice Toigo | Dermatologistas - A&T Dermatologia