Menu

Adriana Schio

24º Seminário Competitividade & Qualidade CIC de Caxias do Sul

O mundo está mudando rapidamente! O que estamos fazendo a respeito?

"A busca da essência como base da competitividade nos negócios", foi o tema do evento que reuniu cerca de 150 pessoas (todos receberam exemplares da edição mais recente da revista NOI) - foto: Adriana Schio Os princípios do mottainai são: dar valor, que significa reconhecer o valor dos recursos; reconhecer a cadeia como um conjunto, uma teia; e gratidão, que se traduz em ser digno daquilo que recebemos e damos (Tiemi Yamashita, proprietária da TEIA Projetos Socioambientais) - foto: Adriana Schio Queremos fomentar um novo ambiente de colaboração e inovação na empresa, e promover mudança de mindset, instigando novas formas de agir e de pensar" (Thiago Deiro, diretor de recursos humanos da Marcopolo) - Foto: Adriana Schio Mottainai é uma visão para conscientizar o significado de reduzir, reutilizar e reciclar" (Tiemi Yamashita, proprietária da TEIA Projetos Socioambientais com a Jornalista Adriana Schio, colunista da NOI - Foto: Divulgação "O líder transformador é obcecado com a cultura da empresa, a inovação e com os clientes - (Daniel Randon, presidente do Conselho Diretor do PGQP e vice-presidente de Administração e Finanças da Randon S.A.) - Foto: Adriana Chio Vivenciamos hoje o conceito VUCA, ou seja, volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade (Bibiana Zereu Dreifus, consultora empresarial e coach executivo) - Foto: Adriana Schio Tiemi Yamashita chamou a atenção dos participantes do Seminário por romper modelos tradicionais ao entrar no evento pela porta do auditório ao invés do palco, ao som de uma música oriental relaxante e vestida com kimono, chinelo de dedo e sombrinha - Foto: Adriana Schio "As boas práticas de governança corporativa aplicam-se a qualquer tipo de organização, independentemente do seu tamanho ou natureza jurídica" (Leonardo Wengrover, coordenador-geral e instrutor do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC) - Foto: Adriana Schio Como diz Peter Drucker, &quottoda e qualquer estratégia, para ser colocada em prática, depende de pessoas. As pessoas são o maior capital de uma empresa" (Thiago Deiro, diretor de recursos humanos da Marcopolo) - foto: Adriana Schio Entre os palestrantes, empresários e executivos da região, que compartilharam cases e experiências implantadas nas suas organizações - Foto: Adriana Schio

Como estar preparado para as mudanças? Para os novos modelos de negócios? “Lean Manufacturing; Cultura organizacional; Governança Corporativa e Competitividade; A importância da Liderança; O papel da gestão de pessoas; Gestão voltada para resultados”. Esses temas permearam as palestras e as discussões do 24º Seminário Competitividade & Qualidade, realizado na última segunda-feira (09.07), na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC). “A busca da essência como base da competitividade nos negócios” foi o tema do evento que reuniu cerca de 150 pessoas (todos receberam exemplares da edição mais recente da revista NOI). Entre os palestrantes, empresários e executivos da região, que compartilharam cases e experiências implantadas nas suas organizações, além de consultores e especialistas reconhecidos em suas áreas de atuação e nos temas tratados, que provocaram reflexões sobre questões palpitantes da atualidade. Confira algumas lições e ensinamentos trazidos pelos palestrantes:

 

“O líder transformador é obcecado com a cultura da empresa, a inovação e com os clientes. As regras de ouro na Randon são: Governança é a base para a boa gestão, tenha coragem para fazer as mudanças necessárias, com visão de crescimento sustentável; resgate os valores, provenha o exemplo, reforce sua história; crise é oportunidade de quebrar paradigmas; tenha um mindset digital e aposte em novos modelos de negócios e numa liderança transformadora!” (Daniel Randon, presidente do Conselho Diretor do PGQP e vice-presidente de Administração e Finanças da Randon S.A.)

 

“As boas práticas de governança corporativa aplicam-se a qualquer tipo de organização, independentemente do seu tamanho ou natureza jurídica. Segundo o International Finance Group (IFC), braço do Banco Mundial, empresas familiares são responsáveis por 60% a 65% do PIB e 95% destas organizações não sobrevivem à transferência de bastão à terceira geração. Por isso, algumas motivações que levam empresas familiares a adotarem boas práticas de Governança Corporativa são: tornar a companhia perene às gerações; profissionalizar a sua gestão; facilitar seu acesso a recursos financeiros; reter talentos; melhorar relacionamentos com clientes e fornecedores; mitigar riscos; administrar conflitos de forma mais eficiente; revisar constantemente e estrategicamente seu propósito.” (Leonardo Wengrover, coordenador-geral e instrutor do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC)

 

“O mundo mudou! O que nos trouxe até aqui não é mais suficiente para nos levar adiante. Vivenciamos hoje o conceito VUCA, ou seja, volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Precisamos de novas habilidades, novos comportamentos para seguir neste novo cenário. E para fazer mudanças nas organizações precisamos de pessoas. Podemos ter a melhor tecnologia, mas sem pessoas engajadas e comprometidas, só gastamos recursos sem resultados” (Bibiana Zereu Dreifus, consultora empresarial e coach executivo)

 

“O mottainai é um conceito que aprendi com a cultura japonesa para trabalhar a eliminação do desperdício. Os princípios do mottainai são: dar valor, que significa reconhecer o valor dos recursos; reconhecer a cadeia como um conjunto, uma teia; e gratidão, que se traduz em ser digno daquilo que recebemos e damos. Mottainai é sustentabilidade na prática. Aprender a enxergar os desperdícios é o primeiro passo para a sustentabilidade. Mottainai é uma visão para conscientizar o significado de reduzir, reutilizar e reciclar” (Tiemi Yamashita, proprietária da TEIA Projetos Socioambientais - ela chamou a atenção dos participantes do Seminário por romper modelos tradicionais ao entrar no evento pela porta do auditório ao invés do palco, ao som de uma música oriental relaxante e vestida com kimono, chinelo de dedo e sombrinha)

 

”Como diz Peter Drucker, ‘toda e qualquer estratégia, para ser colocada em prática, depende de pessoas. As pessoas são o maior capital de uma empresa’. Na Marcopolo, estamos preparando a cultura da organização para as mudanças com a implantação de programas focados na gestão de pessoas, o projeto EVP, que é proposta de valor ao empregado, pesquisa de clima global e outras ferramentas de gestão. Queremos fomentar um novo ambiente de colaboração e inovação na empresa, e promover mudança de mindset, instigando novas formas de agir e de pensar” (Thiago Deiro, diretor de recursos humanos da Marcopolo)